O II CNPMT

logo_CNPMT_crachaB

O II Congresso Nacional de Planejamento e Manejo de Trilhas  é uma iniciativa do Grupo de Estudos Ambientais-GEA e do Laboratorio de Geoprocessamento – LAGEPRO, do Departamento de Geografia Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e  serão realizados de 16 a 18 de outubro na cidade do Rio de Janeiro em conjunto com o I Colóquio Brasileiro para a Red Latinoamericana de Senderismo, evento este preparatório para a participação nacional no I Congreso de la Red Latinoamericana de Senderismo, que ocorrerá no Chile em 2014, quando será abordado o progresso feito para a rede até o momento.

Durante 03 dias foram apresentadas:

  • 02 conferências de abertura (Maria de Jesus Robim (Parque Estadual da Serra do Mar-Núcleo Santa Virgínia – Instituto Florestal / SP e  Esteban Delgado (Senderos de Chile / Fund. Senderos de Chile);
  • 05 mesas redondas com 19 palestras de convidados, incluindo a participação de  Esteban Delgado (Senderos de Chile / Fund. Senderos de Chile e Robert C. Burns. Ph.D. West Virginia University.  Morgantown, WV, US
  • 07 Grupos de trabalho (GTs) com 71 trabalhos apresentados de todas as regiões brasileiras e 17 estados, caracterizando diversas iniciativas e propiciando o conhecimento de variadas realidades e amplos debates, incluindo um trabalho sobre modelos de governança em trilhas d elongo percurso, comparando as iniciativas do projeto Sendero de Chile com a Trans Canadá Trail, desenvolvido na Universidade de Concordia /Quebec/Canadá.
    • Sudeste: RJ (18); SP (17); MG (09); ES (1)
    • Nordeste: RN (6); PE (2); BA (1);  MA (1); SE (1); PB (1)
    • Norte: AM(1); PA (1)
    • Centro-Oeste: TO(1); GO(1)
    • Sul: RS(2); PR(2); SC(3);
  • 05 Oficinas
  • 01 Mostra fotográfica “Retratos da Trilha”
  • e o I Colóquio Brasileiro da Red Latinoamericana de Senderismo, onde se concluiu durante e imediatamente após (principais propostas):
    • Criação de Gt no Congresso da Red Latinoamericana de Senderismo para redação da Carta Internacional para o Manejo de trilhas e Conservação da Biodiversidade
    • Criação de publicação internacional de Senderismo.
    • Apoio da Red ao Programa Pega Leve de minimo impacto em áreas naturais.

Dentre os trabalhos se destacaram as aplicações em SIGWEB, modelos de gestão de redes de trilhas de longo percurso, gestão de riscos em trilhas, implantação de trilhas terrestres e subaquaticas, proposta da consolidação da área de pesquisa “Ecologia de Trilhas” como alternativa mais especifica que Ecologia da Recreação, divulgação da aplicação de princípios de Bioengenharia de solos na recuperação e manutenção de trilhas e a confirmação da importancia da geodiversidade nas ações de planejamento e manejo de trilhas.

Concluindo, na reunião plenária de encerramento se decidiu pela continuidade do Congresso Nacional de Planejamento e Manejo de trilhas de forma itinerante, bianual, sendo a expressão nacional da Red Latinoamericana de Senderismo em breve divulgaremos a sede do III CNPMT.

Deste modo considerou-se que o evento contribuiu com a exposição de múltiplos olhares e recursos sobre o tema, através de conferências, mesas redondas, grupos de trabalhos e minicursos e divulgação do estado da arte sobre o tema, consolidando o debate sobre a gestão de áreas protegidas a partir da análise dos aspectos geográficos e ecológicos do manejo de trilhas.

Anais do II CNPMT:  os trabalhos foram publicados por GTs:

Apresentação

Eixo temático 01: Uso Público e Conservação da Biodiversidade em áreas protegidas

GT 01: Uso Público, Conservação e Manejo da Diversidade em áreas protegidas

GT 02 – Lazer, esportes e turismo na natureza em áreas protegidas: impactos, monitoramento e manejo de trilhas p/a conservação da Biodiversidade

Eixo temático 2: Manejo de trilhas e Sociedade

GT 03 – Educação Ambiental e Interpretação do patrimônio Natural e Cultural em Trilhas

GT 04: Contribuição do planejamento e manejo de trilhas ao Turismo de Base Local: Boas práticas p/ a conservação do patrimônio natural e cultural.

GT 05: Análise de risco, vulnerabilidade e impactos ambientais em trilhas

Eixo temático 3: Manejo e monitoramento da Geodiversidade e Biodiversidade em áreas protegidas

GT 06 Planejamento e manejo de trilhas para a conservação da Biodiversidade e monitoramento de impactos sobre padrões e processos ecológicos

GT 07: Geodiversidade, Geoconservação e Geoturismo: contribuições para o planejamento e manejo de trilhas

Anexos

Veja aqui as resoluções do I Colóquio Brasileiro da Red Latinoamericana de Senderismo  

Anais do II CNPMT.

>Amigos, segue os links dos anais do II CNPMT.

capa_anais

Eixo temático 01: Uso Público e Conservação da Biodiversidade em áreas protegidas

 

Eixo temático 2: Manejo de trilhas e Sociedade

Eixo temático 3: Manejo e monitoramento da Geodiversidade e Biodiversidade em áreas protegidas

ECOVIEW – Sinalização Sustentável, apoia o II CNPMT

ecoview

 

 

 

 

 

 

 

A Ecoview , empresa  especializada em sinalização sustentável, desenvolveu a Linha Especial para Unidades de Conservação feita para suportar todas as condições climáticas das UC’s utilizando materiais 100% reciclados e recicláveis, com relação  custo/benefício mais atrativo que o convencional e com garantia.

Utilizando madeira biossintética, o produto é substituto da madeira natural, com longa durabilidade, não exige manutenção, é mune à pragas, possui excelente resistência física e mecânica, não absorve umidade – não encharca e não dilata, é resistente à exposição ao sol e não forma farpas.

Veja a apresentação ECOVIEW_UC

Saiba mais em http://www.ecoview.ind.br/

Cronograma de apresentações nos GTs

zen_026b1

Amigos, estamos quase lá: de 16 a 18/10 rola o II Congresso Nacional de Planejamento e Manejo de Trilhas, no Campus Maracanã da UERJ

Já concluido, seguem os links do cronograma de apresentações de trabalhos nos 07 GTs  dos 3 eixos do evento. Serão 15 minutos de apresentações ppt seguidas de conclusão aberta para perguntas e discussões sobre os conteúdos apresentados.

Eixo temático (01): Uso Público, Conservação e Manejo da Diversidade em áreas protegidas (16/10)

Eixo temático (02): Planejamento, Manejo de trilhas e Sociedade (17/10)

Eixo temático (03): Manejo de trilhas e Biodiversidade em áreas protegidas (18/10)

Outros links de interesse:

Programação completa 

Oficinas

I Colóquio Brasileiro da Red Latinoamericana de Senderismo

Mostra fotográfica: “Retratos na Trilha

DICA: Enquadramento apertado para dar mais ênfase à fotografia

Para você que vai participar da mostra fotográfica  “Retratos na trilha” , segue uma dica muito interessante postada no blog ” O MEU OLHAR”

a_enquadramento-apertadoO enquadramento da fotografia é muito importante, e um bom enquadramento apertado conferirá à fotografia uma sensação de infinito. Quer seja se fotografe já num enquadramento apertado ou se faça posteriormente o crop da imagem (cortar uma determinada parte, re-enquadrando a fotografia) poderá trazer uma nova dimensão à fotografia. Imagine que tira uma fotografia a uma paisagem, posteriormente ao observar a imagem pode constatar que existe um enquadramento mais apertado que dê ênfase a um detalhe do qual não se apercebeu.

Ao pegar num detalhe da fotografia e enquadrar esse detalhe para obter uma nova fotografia, alcançará uma nova perspetiva. Vamos analisar, por exemplo, uma fotografia a um arranha-céus. Nesta fotografia, vê-se o final do prédio.

a_predioNo enquadramento seguinte – um mais apertado – do mesmo objeto, onde se usa o zoom, ou um cropping posterior, criou-se uma fotografia completamente distinta, devido à sua sensação de infinitude. O segundo enquadramento faz com que apenas o padrão tenha relevo, não se percebendo onde começa e onde termina o arranha-céus.

a_predio2Limitar um padrão a uma determinada área, e posicionar a câmara num determinado ângulo evitando a linha do horizonte, e enchendo o enquadramento com o objeto, significa uma fotografia em plano apertado.

Por exemplo, nas fotografias seguintes, embora ambas tenham uma pessoa no meio de um campo de flores: a_m_enq_apert2

na segunda imagem, onde o enquadramento é mais apertado, não se sabe onde começa ou termina o campo de flores. Desta forma, na segunda fotografia a sensação de uma imensidão de flores, dá a quem contempla a fotografia uma sensação de infinitude, permitindo que a mente divague entre onde começa e termina a fotografia.

a_m_enq_apert1Este tipo de enquadramento pode ser aplicado a inúmeras situações, e lembre-se que com esta técnica basta evitar colocar horizontes ou referências que permitam limitar a dimensão da fotografia

Faça um testes, você vai gostar!!!